sexta-feira, 1 de maio de 2009

E A CULPA É DO PROFESSOR?

A cada dia que se passa, mais eu fico desanaminado em ser professor.
O pior é ter que escutar de uma maneira seca, e não tão amiga, a sua mãe dizendo: "Isso porque você tá só começando". Sabe, ela nem disse um: "Poxa meu filho", "Vamos tentar ser positivo", "Ânimo", "Converse com seus alunos", na verdade não cabe a mim querer fazer que a minha mãe passe a mão em minha cabeça, mas quando vc sofre, vc deseja um pouco de afago, proteção ou palavras que te revigorem, em especial que estas palavras possam vir de sua família e amigos.
Mas o pior de tudo, minha mãe está correta. Estou no começo da minha vida de professor, e já estou arrasado pelo descaso que se encontra a educação pública paulista.
Aconte o seguinte: eu estou na situação de professor eventual, um profissional que vende o seu trabalho na ausência do professor efetivo, e os alunos sabem muito bem como funciona este esquema, ou seja, os alunos têm consciência de que eu estou ali como um quebra-galho, logo não posso avaliá-los ou querer dar prosseguimento a um conteúdo, pois eu não sou o professor, e se eu passo um conteúdo a maioria dos professores não utilizaram as atividades que eu passei. Então, não precisa ser "expert" para saber que o conteúdo passado pelo professor eventual não é reconhecido, além do próprio professor eventual não ser reconhecido, o seu único mérito é ser uma babá, que tem a responsabilidade de manter os alunos dentro da sala de aula, e fazê-los com que fiquem em silêncio. Silêncio?! Como?! Eles sabem que vc tá ali como uma figura simbólica de professor, mas que de fato não é o professor, e logo o que vc passar não tem validade, ou seja, eles não vão dar atenção a vc mesmo, pois vc não é nada, é apenas uma pessoa ali na frente que "encena" ser um professor de verdade.
Na escola em que dou aula, não posso reclamar muito, mas o que escrevi acima, já ocorreu muitas vezes comigo. Porém ainda não desabafei totalmente.
Os alunos, essas figuras do ambiente escolar, são os principais responsáveis pelo o meu estresse, pois está cada dia mais díficl dar aula, coisa que pode ser explicada na falta de interesse deles e na violência com que eles vem tratando o professor, uma violência gratuita.
Por quê eu tenho que escutar gritos ensurdecedores de uma sala de 40 adolescentes?
Por quê eu tenho que entrar numa sala e ser agredido por um aluno?
Por quê eu tenho que ser alvo de piadas e de agressões verbais, como: "idiota", "viado", "filho da puta" e outras palavras?
Por quê eu tenho que ficar aguentando indisciplina de certos alunos que não sabem se comportar, e que depredam o patrimônio público?
Por quê o aluno não sabe que quando uma pessoa, no caso, o professor está falando, ele deve ficar em silêncio para escutar, e depois quando permitido pelo professor buscar fazer perguntas ou até mesmo questionar o professor?
Por quê eu tenho que aprovar um aluno, sendo que ele não atingiu os objetivos da matéria?
Por quê eles se comportam como incultos, e nada sabem discutir a não ser BBB, futilidades, e que fulano ficou com beltrano, mas a fulana, namorada do beltrano, descobriu e acabou com o namoro?


Aí entro na faculdade, aula de Psicologia da Aprendizagem, a professora, que nunca deu aula numa escola pública e tampouco estudou numa, diz:
"Vocês têm que instigar o aluno, buscar fazer uma aula interessante"..."Piaget, dizia que devemos partir do conhecimento acumulado de cada aluno, e a partir disto guiarmos o seu aprendizado"..."Busquem ser lúdicos em sala de aula"...

QUERIDA PROFESSORA DE PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM, NÃO SEI SE A SENHORA PERCEBEU, MAS MORAMOS NO BRASIL, E ACHO QUE AS NOSSAS ESCOLAS PÚBLICAS SÃO DEFICIENTES EM ESTRUTURA PARA QUE POSSAMOS REALIZAR AULAS MAIS INTERESSANTES, OU QUE HÁ UMA CARÊNCIA ENORME DE VERBAS PARA LEVARMOS OS ALUNOS EM EXPOSIÇÕES OU FAZER ATIVIDADES CULTURAIS. NÃO SEI, MAS ACHO QUE A SENHORA TAMBÉM NÃO SABE QUE UM PROFESSOR NA REDE PÚBLICA PRECISA TER 20 TURMAS DIFERENTES PARA CONSEGUIR GANHAR UM SALÁRIO QUE MAL DÁ PRA SUSTENTAR SUA FAMÍLIA, OU RECICLAR-SE COM NOVOS CURSOS E MATERIAIS (LIVROS, REVISTAS, FILMES, ETC). AINDA NA QUESTÃO DO PROFESSOR TER DIVERSAS TURMAS, DEVO LEMBRÁ-LA QUE É HUMANAMENTE IMPOSSÍVEL UM PROFESSOR ACOMPANHAR ALUNO POR ALUNO E SABER O SEU PRÉ-CONHECIMENTO, COMO RECOMENDA PIAGET E A SUA "GANGUE DE CONSTRUTIVISTAS", PARA QUE ELE POSSA ENSINAR A PARTIR DAQUILO QUE O ALUNO SABE, POIS 1 PROFESSOR ACUMULA 20 TURMAS, E CADA TURMA TEM APROXIMADAMENTE 40 ALUNOS, 20X40: 800 ALUNOS; POR FAVOR PROFESSORA, ME ENSINE A MAGIA PARA QUE EU POSSA TER TEMPO DE INVESTIGAR 800 ALUNOS DE MANEIRA INDIVIDUALIZADA, ENSINAR 800 ALUNOS DE MANEIRA INDIVIDUALIZADA E AVALIAR 800 ALUNOS DE MANEIRA INDIVIDUALIZADA. COMO DEVO FAZER ESTE PROCEDIMENTO EM 2 MESES (BIMESTRE)?
ACHO LINDO O QUE PIAGET E A SUA "GANGUE DE CONSTRUTIVISTAS" DIZEM, MAS TEMOS UMA ESCOLA PÚBLICA BRASILEIRA COM UMA ESTRUTURA QUE PERMITA A APLICABILIDADE DE MÉTODOS CONSTRUTIVISTAS?
COMO SER LÚDICO NUM AMBIENTE EM QUE FRASES COMO "VAI TOMAR NO CU", "FILHO DA PUTA", "CARALHO", "SUA BISCATE", SÃO CORRIQUEIRAS, E QUE O BARULHO E A BAGUNÇA REINAM?
POR FAVOR PROFESSORA DE PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM, VAMOS DISCUTIR UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE DA EDUCAÇÃO, VAMOS DISCUTIR POR QUE OS PROFESSORES ANDAM TENDO DERRAMES CEREBRAIS, ATAQUES CARDÍACOS, DEPRESSÕES, OU VICIOS EM CIGARRO E BEBIDAS.
VAMOS DISCUTIR MANEIRAS DE A ESCOLA FUNCIONAR E DE FATO ENSINAR O ALUNOS, MAS ESTE DEVERÁ TER CIÊNCIA DE QUE ESTÁ ALI PARA APRENDER E DEVERÁ CUMPRIR CERTOS DEVERES PARA TER SEUS DIREITOS.

Outra coisa, a culpa não recai somente aos alunos, muitos professores ruins, realmente não merecem estar numa escola pública, entretanto não devemos generalizar e dizer que o insucesso da escola se deve a incopetência dos docentes. Cara, o sistema é que está errado, o sistema escolar está sucateado pelo governo, e nós permitimos isto, não ensinamos na escola, mas fingimos ensinar, na verdade a escola virou um depósito de acefalos, bem, eles não são acefalos, pois eles ainda possuem uns 2 ou 3 neurônios para discutir BBB.
Mas como ensinar num ambiente em que o professor é mal remunerado?
Como ensinar num ambiente em que não se reprova o aluno que não sabe escrever?
Como ensinar num ambiente em que o aluno que não sabe ler e nem escrever não recebe um reforço para aprender?
Como ensinar num ambiente em que os professores são questionados sempre cobrados, mas nunca ajudados?
Como ensinar num ambiente em que há ausência de materiais didáticos, e quando há os alunos depredam?

Agora pergunto: SERÁ QUE A MINHA PROFESSORA DE PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM ESTAVA CERTA EM DIZER QUE A CULPA DO ESTADO PRECÁRIO DA ESCOLA PÚBLICA HOJE EM DIA É DO PROFESSOR?

É, A CULPA É MINHA DE FICAR GRITANDO TANTO, E PERDENDO A MINHA VOZ.

POR QUÊ TENHO QUE GRITAR MESMO?
PORQUE TENHO QUE ENSINAR.
MAS ELES VÃO QUERER APRENDER MESMO?
NÃO!
ENTÃO FODA-SE TUDO........É! A CULPA É DO PROFESSOR MESMO, POIS DIANTE DE TUDO QUE VEM ACONTECENDO, A ESPERANÇA DELE MORREU.


OS GOVERNOS ANDAM CONTRATANDO PROFESSORES QUE SE FORMARAM EM FACULDADES PRECÁRIAS, POIS A FRACA FORMAÇÃO IMPLICA EM SALÁRIOS BAIXOS E EM AUSÊNCIA DE INTELIGÊNCIA PARA A MOBILIZAÇÃO DE MOVIMENTO.

NÓS PROFESSORES SOMOS BURROS E DESORGANIZADOS, POIS SÓ TENDO ESSES ADJVETIVOS PARA ACEITAR O QUE PASSAMOS EM SALA DE AULA.

3 comentários:

Hugo disse...

Caramba, isso n merecia um simples comentário, merecia uma outra postagem inteira...
É meu amigo, o problema é realmente serio, na minha curta experiência com educação tive a nítida sensação é que tudo estava errado... É muito fácil culpabilizar o professor, a gente tira o problema da esfera social, das questões ligadas a políticas públicas e localiza em pessoalidades (a psicologia é muito boa nisso)... Não se trata de um sistema ingrato, de uma serie de carências, de uma escassez absurda... Claro que não... É o professor que é relaxado. O professor que trabalha em condições sub humanas, é desrespeitado, desvalorizado, mal pago e ainda sim se propõe a tal oficio... Esse sim é o grande culpado... É como se vc estivesse carregando o mundo nas costas e alguém falasse que o mundo não anda por sua causa.
Porém devo dizer que o problema de escassez não é um privilegio da educação, mas também da saúde, da promoção social e de tudo que lida com a pobreza... Pk na verdade o que sobrevive ao sistema não é o que soluciona os seus problemas, mas o que o mantém, tudo é feito para que a formação desses alunos seja de fato capenga, suas saúdes negligenciadas, para que se mantenham nos sub lugares que estão hj.
Lembro que numa determinada ocasião, a diretora da escola onde trabalhei foi ameaçada de morte pelos pais de uma aluna... Eu tinha acabado de chegar, fiquei perplexo , preocupado, sem saber como agir... E ela me disse: “Hugo, esse é meu oficio, se eu parasse diante de cada ameaça não teria dado nem o primeiro passo, se tiver de morrer por isso irei morrer o que eu não posso é me entregar, correr pra casa e ficar em baixo da cama, vendo a vida passar”... Nunca mais vou me esquecer disso, não estou aqui levantando a bandeira da resiliência, achando que vc tem de ser o super professor, mega conformado, que hiper se motiva por um ideal e submete a tudo... Tem que se indignar sim, tem que se sentir impotente sim, gritar sim, reclamar sim... Mas por favor, pelos seus alunos, por vc mesmo, por mim, por esse país... N esmoreça... O mundo precisa de gente como vc... Nem que seja apenas pra andar na contramão da boiada...


http://www.geocities.com/Wellesley/Atrium/4886/filos15.htm

leandro disse...

Acho que posso trazer o exemplo da moradia estudantil da Unesp de Rio Claro para o que ocorre na educação pública. Em 2005 a moradia se encontrava em pleno estado de degradação, fruto da falta de organização dos estudantes e do resultado da política da universidade elitista. Foi preciso chegar num ponto alarmante para que os estudantes buscassem uma organização: lutar, ocupar, debater, estudar, investigar, lutar! Em 2006 a moradia foi reformada, em 2009 a construção do terceiro bloco. Mais pobres com possibilidade de estudar na universidade pública. Já dizia o filósofo, às veses é preciso desorganizar para organizar...

Professores do mundo, Uni-vos!

Daniel Donson disse...

Nossa... relendo este post, não pude deixar de me sentir um pouco mal. Eu compreendi absolutamente tudo oque foi dito e, embora concorde com Piaget, cientificamente não temos condições de proporcionar um ensino libertador aos alunos. Nem mesmo escola particular tem conseguido isso. Tudo que fazem é cumprir uma grade, uma tabela de conteúdos que, dizem, fazem de um aluno um aluno formado, um cidadão. NÂO. Pra mim, escola deveria ter outra conotaçao. Deveria ser um ambiente de propecção do capital intelectual mas, sobretudo, de humanização e de ideias. Ideias que partam dos alunos também, do desenvolvimento de suas potencialidades. Contudo, sei que o salário é baixo e a alienação é generalizada. E nem mesmo o professor está acreditando no ensino. Sendo assim, estamos todos atados e fadados ao lamento e à melancolia. Que fazer? Eu me recuso a ser vencido. Se fosse professor, de alguma forma, tentaria fazer diferente, mesmo com todas as adversidades... eu me apoiaria na pequena propabilidade das excessões... não sei, não posso atestar o que digo. Mas também não posso deixar de pensar desta forma.

Força Deni, vá aditante!!!