terça-feira, 25 de agosto de 2009

O conflito

Todos que acompanham meu blog já sabem, ou perceberam que trabalho com educação.
Leciono numa escola central aqui da minha cidade, e há 3 anos venho obtendo sucesso junto aos alunos e ao corpo docente. Como dizem, já sou figurinha carimbada da escola.
Esse ano, confesso que está sendo dificil pra mim, as salas estão mais cheias e as novas safras de alunos estão chegando com mais problemas, que não cabe apenas à escola resolver.
Tem uma sala, que sempre costumo ir, e que os alunos são muito falantes, tem muitas panelas na sala. Conseguir o silêncio para a chamada, já é uma tarefa árdua. Mas no geral, eu tenho que reconhecer que apesar de falantes, muitos alunos desta classe são pessoas boas e simpáticas comigo.
Entretanto, sempre há uns tomates estragados, numa caixa de tomates, e um que é fétido. Esse aluno, desde o começo do ano vem me atormetando, é só eu colocar os pés dentro da sala de aula, que ele já começa a fazer "gracinhas". Digamos, que as "gracinhas" dele são inconvenientes e não apresentam a menor graça.
Em minha aula, ele tem o costume de ficar imitando animais, enquanto estou de costas, às vezes pega pedaço de canudo e fica fazendo um som insuportável com aquilo. Não faz lição, fala bastante, e é um porco, pois fica arrotando na sala de aula.
Antes do recesso eu já quebrei o pau com esse aluno, por ele debochar da minha cara, enquanto eu o avisava que caso não melhorasse o seu comportamento, ele seria mandado para a inspetoria. Ele nem ligava. E vivia atormentando os outros e tirando a atenção da turma durante a aula. Sem contar os palavrões que ele tem em seu vocabulário.
Mas.... Ele levou a primeira suspensão, por ter jogado um aviãzinho na professora, e por sempre estar levando a sua aula como um verdadeiro momento de farra.
Fiquei até contente com a suspensão dele, afinal, eram dias de paz para mim.
Houve o recesso escolar....e quando as aulas voltaram, ele retornou mais cínico e impertinente.
O cúmulo da minha paciência foi ver ele chegar com 20 minutos de atraso, sem me dar satisfação, confesso que ignorei o fato com a finalidade de evitar um novo conflito. Mas quando olho para este ser e o vejo fazendo "bolinha de papel" e colocando na boca, onde mastigava e depois jogava pedaços deste papel com cuspe no colega da frente.
Na hora eu disse:
- Fora da sala. (num tom até que com educação)
- Por quê? O que estou fazendo? (disse ele já com a voz elevada)
- Vc, está mastigando papel e jogando no colega, isso é nojento e não aceito isso. Fora da sala, agora! (já ficando um pouco irritado)
- Eu não vou pra fora! Só porque estou fazendo isso (ele repete o que fazia, jogando bolinha de papel com cuspe no colega).
- Você não vai sair? Não o quero mais em minha classe!
- Eu não vou sair, porque vc vive me perseguindo! (disse ele já gritando, e me encarando com uma cara cínica)
Pausa pra respiração....o sangue começou a ferver, parece que revi todas as atitudes insolentes desse "aborrescente", que mal sabe o que é a vida. E que não dá valor ao estudo que tem.
Então comecei o meu discurso em berros, bufando e com o semblante fechado e vemelho:
- Eu não te persigo, vc que é um aluno que não faz lição, não traz nada de produtivo, atrapalha a minha aula, não para quieto, vive a me testar. Vc é um impertinente. E sai fora da minha sala.
(todos que estavam do lado de fora, e em outras salas ouviram os meus berros, minha paciência tinha esgotado, não sou de estourar com os alunos, mas ontem aconteceu isso.)
Ele se levantou e vinha na minha direção querendo me encarar, ou como se tivesse me chamando pra briga. A sorte é que ele não me tocou, porque senão eu voava em seu pescoço. Ao sair ele gritou bem alto: "VAI TOMAR NO CU"
Eu ainda estava em nervos, vermelhíssimo, a minha vontade era pegar aquele ser derrubá-lo e chutá-lo até sangrar. Quando fico com raiva, nem eu mesmo me conheço. Mas por sorte eu tive controle, e fui até a inspetoria, quando as inspetoras me viram, pensaram que estava passando mal. E na hora relatei, fomos até a vice-diretora, que foi muito receptiva e entendeu, tanto que me viu em estados de nervos, queria que eu me acalmasse. Mas não conseguia....
Nem voltei pra sala, de tão nervoso.
Neste mesmo dia, a mãe do aluno foi até a escola, pois o filho iria tomar supensão por me mandar para aquele lugar. E pasmem! A atitude da mãe foi em defender o filho, e provocar o maior barraco na escola, sendo uma pessoa sem educação com a Diretora, e lançando ameaças contra a escola caso o filho dela ficasse de suspensão. Além de tudo isso, ela queria a mim, sim queria falar comigo, ou melhor, queria me humilhar, queria gritar comigo. Ainda bem que não estava na escola, pois se eu tivesse, do jeito que eu estava era capaz de comprar briga com essa mãe, que afirmava que eu tinha chamado o filho dela de "vesgo", "zarolho" e "asno".
A mulher nem escutava a diretora, a filha dela, que também é minha aluna, mostrou-se igual a mãe, adora ver um barraco acontecer e jogar mais lenha na fogueira. O pai do aluno impertinente chegou, e se mostrou mais sério e compreensível, porém não achava correto o professor, no casou: eu, chamar o filho dele de "vesgo" e "asno".
O clima tava tão quente, que foi preciso chamar a Polícia Militar na escola, pois a mãe persistia em armar o barraco. Até que com a chegada da PM, a mulher ficou um doce e assinou a suspensão do filho.
Depois disso, a diretora quis ouvir a minha versão, e pediu que eu fizesse um Boletim de Ocorrência por desacato ao funcionário público. Fiquei com muito receio, pois não queria incendiar mais as coisas, eu não queria partir para a instância judicial e não fiz, pois não me senti ameação e muito menos densonrado, pois confesso que extravasei toda a minha raiva naquele momento. Além do mais, com a mãe afirmando que eu chamei o filho dela de vesgo, eu poderia ter problemas, pois tem alguns alunos na sala que não me suportam, e fariam de tudo pra me prejudicar, até mesmo inventar histórias contra a minha pessoa. E no caso sendo testemunhas de um B.O. contra a minha pessoa por ter chamado o cara de vesgo, coisa que não fiz. Iria ser um jogo de reciprocidade, eu faço o B.O. porque vc me desacatou e eles fazem o B.O. alegando que eu xinguei o aluno.
E pra ser sincero eu não me senti ofendido com o "Vai tomar no cu", o que me deixou possesso são as brincadeiras imaturas dele, como o seu ato nojeto de jogar o papel com seu cuspe em outras pessoas, o seu cinismo e sua cara de sempre estar debochando de mim. As suas atitudes demonstram que ele é uma pessoa chata e que só serve pra atormentar e testar os limites dos outros.
A diretora, entrou em contato com a escola em que ele estudou, em outra cidade, e adivinhem: ele era o terror nesta escola, sempre provocando confusões e mantendo-se indisciplinado, e a diretora da escola, tinha até perdido a esperança com ele e com a mãe, que sempre se mostrou sem educação e sempre estava a montar barracos para livrar o filho dos castigos pedagógicos.
Deram graças, quando ele mudou de cidade.
Hoje aconteceu o que eu previa, alguns alunos, em especial uma aluna, fez um "pacto" com os seus amigos para falarem mal de mim para a diretora, e que eu havia chamado o muleque de "vesgo". O que eu não esperava, e me senti muito contente, foi com a atitude dos outros alunos que se indignaram com as pessoas que queriam me prejudicar, e foram avisar a diretora. Um outro professor, também ficou "puto" quando soube que certa aluna estava capitaneando outros alunos com o intuito de falarem mal de mim para a direção, e logo ele foi até a diretora e contou tudo.
Conclusão: Fui conversar com a diretora, e ela disse:
"A turma do fundo disse que vc chamou o aluno de vesgo, entretanto, eles não disseram que escutaram, mas que tal aluna disse para eles que você havia chamado o menino de vesgo. Alguns alunos vieram aqui, e desmentiram tudo, disseram que vc não chamou ninguém de vesgo. Aqui recebi até elogios de vc. E em nenhum momento disseram que vc chamou o muleque de "asno" também, mas sim de impertinente, o que realmente ele se mostrou. Mas estou sabendo, e fico muito preocupada, é que uma aluna está armando contra você, dizendo aos alunos para virem falar que vc disse que o aluno é vesgo, e agora tudo se fechou, pois o professor veio confirmar a versão de que tem alunos na sala querendo te prejudicar nesta história. Amanhã mesmo vou tratar deste assunto com a menina e a sua mãe, pois conheço a mãe e sei que ela é uma pessoa bem coerente"
Acabou por aí.....
Mas confesso a vcs, me senti um problema para escola, não queria ter trazido esses acontecimentos para a escola, mas foi inevitavel. Me senti muito mal, horrível, tinha a sensação de que eu estava provocando o fuá. A direção se mostrou muito competente e viu que o aluno é problemático e que a família o acoberta em tudo. E deixou bem claro que eu não trazia problemas à escola, e que isso iria ocorrer cedo ou tarde.
Só pra terminar: eu não me lembro de ter me referido ao aluno como "vesgo", "vesguinho", "zarolho" ou "asno". A prova é que muitos da sala, os alunos bons e competentes me defenderam. É por estes alunos que me sinto gratificado e com orgulho de ser professor, apesar dos problemas.

7 comentários:

Gato de Cheshire disse...

E afinal de contas, o menino é vesgo, mesmo??? rsss

Bem... Dúvidas a parte, a vontade é dar uma coça nessa mãe, né??? O maior castigo dela será esse filho, se já não é.. Mães que passam a mão na cabeça de filhos como este pagam caro e muito....
Eu só acho que vc deveria denunciar sim, vc tah com a verdade não tem que ter medo, as pessoas falam muita coisa mas qdo é pra se entender com a Dona Justa ficam temorosas, não sei se essa mesma garota teria coragem de mentir para policia só pra ser do contra... De mais a mais contar uma mentira dessas sobre algo que aconteceu na frente de tantas pessoas é correr um risco muito grande de ser desmentida e atroco de nada (q por fim foi o q aconteceu)...
Essas pessoas precisam de freio, n pode ficar desse jeitos, qtos ainda serão vitimados por conta de mãe e filho psicopata, qu fazem tudo issos em consequencia alguma... As pessoas n podemf alar o que querem na cara dos outros... E essa menina que mente a troco de picuinha??? tem de levar tb....

Entendo q vc se sinta mal, mas n tem culpa de nada, vc é vítima nessa historia, n estaha rranjando confusão, arranjaram pra vc e n da pra ficar passivo diante dela, vendo o circo epgar fogo com vc no meio do picadeiro...

Pense nisso, meu amigo não se omitir nesse caso reforça mais uma vez o seu papel de educador...

Gato de Cheshire disse...

PS. Vou mais longe, faz o BO e anuncia od esejo de fazer outro por calunia e difamação, deixa bem claro que acha que a mentira inventada foi pouco, mas as bruxas precisams er queiamdas em praça pública para servirem de exemplo para outros...

Gato de Cheshire disse...

PS. Nada de exemplo com bruxas... hauahauahaua

Felipe Colpani disse...

Nossa, quanta impertinência do aluno (e da mãe).

É nessas horas que eu penso nos árduos desafios que enfrentarei ao lecionar em uma escola.

Abraços, Felipe Colpani.
Curso de Licenciatura em Geografia.
UFSCar, Sorocaba.

Diego Paulino disse...

O filho reflete a mãe.
Que coisa triste, o menino,se não for instruído de maneira certa, vai se tornar um adulto tão arrogante quanto a seus pais

Jay e Alê disse...

Caraca que coisa ein!!? É por isso que a Educação no Brasil vai mal.
Enfim, manda isso pro meu departamento de educação em Brasília huauahuahuhua... Faça o B.O... Vamos resolver isso de uma vez por todas.
Abraço nosso...

Gato de Cheshire disse...

N vai sair dess eluto nunca mais, minha gente????